quarta-feira, abril 26, 2006

25 de Abril não se comemora, vive-se a cada dia!

Essa é a maior comemoração que se pode fazer ao 25 de Abril. Viver a Liberdade que nos foi proporcionada nesse já longinquo dia de 1974.

Não é por ir para a rua no dia 25 de Abril, com um cravo na lapela, que se é adepto da Liberdade.

Até porque os cravos que então simbolizaram iconograficamente a Revolução (e não a Liberdade) foram "apossados" por diversos partidos políticos cujos conceitos democráticos são, no mínimo, estranhos e cuja Liberdade, mormente a de expressão, não é práctica corrente. E não sendo hoje o cravo um simbolo da Liberdade, que foi aquilo que de melhor herdamos da Revolução, não faz qualquer sentido hoje ter de se andar com um na lapela. Até porque, esteticamente, é discutivel a validade de tal coisa...

Eu que nesse dia de 1974 tinha 1 ano, 7 meses e 6 dias de idade, sou por assim dizer, um filho da Revolução. Sempre vivi em Liberdade. Nunca soube o que era não poder expressar a minha opinião ou fazer aquilo que entedesse dentro da tolerância devida que um acto tenha perante os outros: a minha Liberdade termina onde começa a do vizinho! Por isso, para mim a Liberdade é tão banal que não a comemoro; vivo-a!

Restava-me então comemorar a Revolução. Coisa que não o faço. Não porque não concorde com ela, mas porque ela foi apenas o principio do processo que nos trouxe a Liberdade. Que apenas se concluiu no 25 de Novembro de 1975, um ano e meio depois... Ou talvez mais tarde ainda, já nos anos oitenta, quando foi extinto o Conselho de Revolução...

Para mim, o 25 de Abril significa o inicio do processo que nos deu a Liberdade. De agir, de sermos, de pensarmos, de falarmos. A melhor forma que sei de comemorar é a cada dia fazer tudo isso. Como escrever isso aqui. Sem cravos na lapela.

1 comentário:

Lou Andreas-Salomé disse...

Se fosse alemã, batia agora com o punho na mesa várias vezes, em jeito de aplauso.