terça-feira, agosto 01, 2006

Novo rumo, linha a 180º, virei a sul

Alguns cósmicos já o sabem, outros irão ler agora a primeira vez e tomar contacto com a noticia.

Por contingências várias da vida, ainda este mês de Agosto me devo deslocar para Angola onde irei iniciar uma nova etapa na minha carreira profissional.

Quem me tem lido em de mais de 3 anos de Linha de Rumo sabe que passei de um contentamento descontente para um descontentamento total com o Rumo que o meu país e o meu concelho apresentam.

Motivo mais que sufeciente para começar a germinar a semente da mudança. Aos poucos tenho vindo a sentir que Portugal não me oferece as oportunidades que procuro. Sinto que por mais que trabalhe nunca sairei da medíocridade que se instalou por cá, no meio deste espirito pequeno e invejoso.

De repente, sem o contar, surge o telefonema com o convite.

Primeiro, o choque. Angola? Tão longe, tão pobre...

Depois, a fase de pesquisa. Saber como está, ouvir quem lá está/esteve falar daquela terra que habita o nosso imaginário colectivo-saudosista.

Por fim, a aceitação. Afinal, serão apenas um par de anos e entretanto, quem sabe, Portugal poderá melhorar financeiramente porque esta cultura portuguesa de atavismo e provinincianismo não se muda em tão curto espaço de tempo...

Vou tentar, sempre que me for possivel, plasmar aqui na net a minha experiência e aventuras por terras da mãe-África. Espero ter sucesso e abrir outras portas à minha carreira profissional, bem como fazer o famoso pé-de-meia que caracteriza os nossos emigrantes. É evidente que não sou um emigrante comum - serei um quadro superior. Se quiserem, serei mais uma pequeno cérebro que tem de sair de cá para encontrar noutras paragens espaço de progressão profissional.

Vou já com saudades e vontade de regressar. Detesto muitas coisas em Portugal e nos portugueses. Mas apesar de tudo, é do nosso país, da nossa bandeira e das nossas gentes que eu gosto. Levo o FC Porto e a cidade de Guimarães ao peito, os meus amigos na memória, os meus pais, tios e primos num cantinho especial só para eles, como também para a Sara.

Não sei quando volto (de vez, porque pelo menos no Natal e férias estarei cá) nem tão pouco sei ainda ao certo quando vou, mas vou dando noticias na Linha de Rumo.

5 comentários:

Miguel V. Carvalho disse...

Muito boa sorte para ti, Nuno.
Eu estive lá em Fevereiro e recusei iniciar lá uma vida profissional. Talvez porque o meu caso é diferente. O meu contrato era sem termo; seria vitalício... :-)
Atenção à segunça; não andes sozinho à noite; tranca as portas do carro; muito muito cuidado na estrada, aqueles tipos passam-te por cima; o trânsito é simplesmente caótico.
Naquilo que te puder ajudar, não hesites em solicitar. Afinal os colegas são para isso mesmo. Tenho lá uns contactos engraçados...
Grande abraço e tudo de bom.

P.S. - Acho que a tua opinião sobre Portugal vai mudar depois da tua viagem...

Nuno Silva Leal disse...

Obrigado, Miguel, mas para além de não ir só (vou integrado numa equipa) o meu chefe já lá esteve há 10 anos atrás numa fase bem mais caótica que hoje, com a guerra. Para além disso, só vou ficar cerca de 2 meses em Luanda pois a nossa obra é no Lobito, um paraíso à beira-mar plantado segundo várias opiniões que recolhi.

Quanto à minha opinião, penso que sim, vai mudar, pois costuma-me chegar uma semana de férias no estrangeiro para isso, quanto mais uns meses ou anos a trabalhar por lá...

Grande abraço aos cósmicos!

raquel gousson disse...

Concordo consigo 10000000%
Faz bem aceitar tal trabalho, pois tal como diz e muito bem basta uma semana de férias fora de Portugal...Para ver que Portugal vai de mal a pior.

Força e boa sorte!

Raquel

Lou Andreas-Salomé disse...

Boa sorte, cósmico desiludido...Partir já é difícil, agora partir para viver no 3º mundo requer muita coragem e vontade de mudança!Desejo-te as maiores felicidades e, por favor, não pares de escrever. Independentemente das nossas discórdias, és dos que mais contribui com intervenções salutares e sábias neste blog.
Beijinhos e boa viagem

Nuno Silva Leal disse...

Obrigado, amiga. É de facto numa vontade enorme de mudar que parto, dia 25, em busca de novas oportunidades e melhores condições de desenvolver o meu trabalho. Parto na esperança de voltar. E as saudades já são tantas!!!